FMEA: o que é e quando aplicar nos processos de produção?
Automação Industrial

FMEA: o que é e quando aplicar nos processos de produção?

Dar confiabilidade aos processos existentes e analisar profundamente, criando novos processos, se necessário. Essa é apenas uma amostra do que o tradicional método FMEA pode realizar em empresas de diferentes portes e segmentos.

Para gestores que querem garantir mais eficiência e dar largos passos em direção aos resultados esperados pela organização, a metodologia é uma opção atraente.

Vamos entender por quê? Continue a leitura e saiba mais sobre essa ferramenta!

Aprenda como preparar sua fábrica para Indústria 4.0, acesse nosso Ebook!

Análise de Modos de Falha e seus Efeitos: entenda o método

A FMEA é uma metodologia usada para examinar processos e produtos a fim de diagnosticar e prevenir erros e riscos. O termo vem da sigla em inglês Failure Mode and Effect Analysis.

O método é usado como uma ferramenta de gestão que ajuda a promover ajustes, evitando impactos negativos e reduzindo custos operacionais.

Permite uma visão ampliada das falhas contribuindo para a elaboração de medidas corretivas e de melhoria contínua.

Um dos grandes objetivos da sua implantação é eliminar defeitos que não condizem com as diretrizes da empresa, desfavoráveis para a sua imagem e, em certos casos, podem até causar algum dano ao consumidor final.

A FMEA também ajuda a estabelecer uma rotina de checagem com base nos resultados de ações já implementadas.

Pode ser aplicada a serviços, produtos, projetos ou processos existentes ou novos, identificando os possíveis modos de falha – qualquer fator que possa causar erros, defeito ou rejeição.

entenda o método de aplicação do FMEA

Qual é a sua importância para as indústrias?

A FMEA ajuda a compreender os processos industriais detalhadamente. Ela ressalta os riscos em potencial e determina ações para contê-los.

É considerado um documento muito importante, pois acompanha todo o ciclo do processo de produção e, portanto, inclui dados que ajudam detectar os problemas e suas origens – algo valioso para uma boa gestão do negócio.

Medidas de correção também são registradas, possibilitando a criação de um histórico repleto de informações úteis a equipes de diferentes setores da empresa.

Tipos de FMEA

O FMEA pode nortear decisões sobre a aquisição de novos equipamentos e a implantação de novos processos. A ferramenta ainda proporciona às empresas a possibilidade de melhorias nos processos atuais.

Existem várias versões de FMEA, como o de Softwares, de Serviços, de Sistemas, etc. Todos eles têm o objetivo comum de avaliar problemas em produtos e em processos. Confira os tipos principais:

PFMEA: de Processo

A Análise de Modos de Falha e Efeitos de Processos observa processos específicos tentando aprimorar a eficiência da produção. Verifica possíveis erros durante a atividade, encontrando falhas no seu planejamento e andamento.

Como exemplo, digamos que você comprou uma garrafa térmica que não está mantendo o café quente. Ou seja, não está cumprindo a sua função.

Nesse caso, supõe-se que houve uma falha no desenvolvimento do projeto do produto ou durante o seu processo de fabricação.

As hipóteses do que ocorreu podem ser várias, entre elas: faltou monitoramento do processo, o defeito passou despercebido por funcionários e o item foi entregue ao consumidor em situação irregular, configurando uma situação indesejada.

É por motivos como esse que as falhas precisam ser identificadas ainda durante a produção.

Além dos processos de fabricação, o PFMEA também considera as atividades relacionadas ao transporte de dados e as estruturais. Deve ser aplicado a cada processo específico, acompanhando-o do início ao fim.

DFMEA: de Design

O DFMEA (Design Failure Mode and Effect Analysis), traduzido como Análise dos Efeitos e Modos de Falha do Projeto é direcionado à checagem do produto em si e seu funcionamento, que pode estar insatisfatório e ocasionar falhas na segurança.

Seu foco está nos componentes e materiais do produto, além da sua estrutura, ligação com outros elementos ou sistemas, etc. Também estuda a sua engenharia, as tolerâncias e intolerâncias.

Também chamado DFMEA de Projeto ou de Produto, sua aplicação ajuda a garantir a vida útil desejada e a aumentar o seu nível de segurança.

Como aplicar o método FMEA? Veja o passo a passo

Geralmente, as empresas se beneficiam da ferramenta elaborando um documento, seguindo um passo a passo como esse:

1. Definição

Primeiramente, é escolhido um processo ou produto para passar pela análise PFMEA ou DFMEA.

2. Especificações

Em seguida, é levantado o máximo de informações sobre o item ou atividade escolhido.

3. Modos de Falha

Os funcionários incumbidos de fazer a análise deverão acompanhar cada fase do processo ou cada detalhe do produto, registrando todas as irregularidades que encontrarem e identificando possíveis modos de falha (erros que ainda não aconteceram).

4. Efeitos

Cada modo de falha listado deve vir acompanhado de anotações sobre quais são suas falhas em potencial e os seus efeitos.

Cada efeito recebe uma classificação indicando o seu nível de Severidade, ou seja, qual a gravidade da falha: onde 0 corresponde a baixa gravidade e 10 se refere a alta gravidade.

5. Causas por falha

Aqui é avaliado o que pode ter causado cada falha, e também é feita uma classificação que se refere à sua frequência de Ocorrência: onde 0 é uma frequência mínima, caracterizando uma chance remota de falha; podendo chegar até o 10 – que significa uma frequência constante, ou seja, várias vezes ao dia.

Após seguir esses passos, será possível classificar as falhas de acordo com seus níveis de Ocorrência, Severidade e Detecção, a fim de calcular o risco.

O nível de Detecção (a facilidade em identificar a falha) também pode ser classificado em uma escala de 0 a 10, sendo 0 igual a uma detecção alta e fácil; e 10 correspondendo a um modo de falha impossível de detectar.

Para finalmente calcular o risco, chamado RPN (Risk Priority Number), deve-se multiplicar os índices de Ocorrência, Severidade e Detecção.

Com o valor de risco em mãos, podem ser tomadas as ações corretivas, seguindo uma ordem de mais urgente para menos urgente.

Conheça as soluções da Kalatec para automação industrial!

Conclusão

Procuramos, no conteúdo deste texto, te apresentar informações básicas sobre a Análise de Modos de Falha e seus Efeitos, para você poder ter um conhecimento inicial sobre esse método que auxilia a gestão de diversas empresas.

Vimos que a FMEA pode ser subdividida em PFMEA e DFMEA, para facilitar a análise individual de cada produto e processo.

Também notamos que a documentação pode ajudar a realizar futuras análises com mais qualidade, diminuindo custos para a empresa e aumentando a satisfação dos clientes.

Gostou do artigo? Então, compartilhe com os seus colegas e não perca os próximos posts que a Kalatec está preparando para você! Até breve!

Posts relacionados

Edilson Cravo

Edilson Cravo

Engenheiro de Aplicação. 22 anos de experiência com 5000 visitas únicas em Indústrias. CMO da Kalatec Automação. Especialista em Controle e Automação (USP). Engenharia de Processo (MAUA) - Gestão de Inovação (ESPM) - Gestão de PME (FGV) e MBA em Vendas (PUC). Foi consultor de projetos no Instituto Nuclear Brasileiro, Embraer, Rede Globo e USP (Projeto Inspire).

Veja também

Abrir WhatsApp